Resultados do Projeto Piloto de Compostagem Mogi Mirim

O projeto teve início em 2013, com o propósito de desenvolver um modelo referencial na gestão de resíduos sólidos urbanos orgânicos para as mais de 5500 prefeituras do Brasil, que até agosto de 2014 tem que se adequar a Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305/2010.

Moradores aprovam projeto de compostagem

Foi publicada uma matéria no Jornal A Comarca de Mogi Mirim, comentado sobre o Projeto Piloto de Compostagem que implantamos na cidade.

Em projeto piloto de três meses nos bairros Jardim Paulista e Jardim Silvânia, na zona Norte, o projeto de Compostagem teve a aprovação de mais de 90% dos moradores.

Durante o projeto, foram feitas coleta de produtos orgânicos e, posteriormente, transformados em adubo. Desta forma, o lixo recolhido, que antes era desperdiçado e despejado em aterros, volta à natureza, mas agora sem causar danos ao meio ambiente.

Resoluções definem critérios para compostagem e para pesca do robalo

paranaUma resolução, aprovada pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (Cema), estabelece critérios para compostagem de lixo em empresas e órgãos públicos. A norma, que passa a valer a partir desta semana, for estabelecidas por um grupo de trabalho, criado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, com entidades ligadas a essa área.

A resolução sobre empreendimentos de compostagem de resíduos sólidos urbanos e de grandes geradores no Paraná será a primeira legislação sobre o tema no Paraná, em conformidade com a Lei Nacional de Resíduos Sólidos 12.304/2010.

Massachusetts proíbe a geração de resíduos de alimentos

O secretario do Gabinete de Energia e Meio Ambiente (EEA) do Massachusetts, Rick Sullivan, no dia 10 de julho anunciou a já esperada proibição de eliminar o destino para aterros dos resíduos de alimentos comerciais juntamente com o financiamento para apoiar a valorização destes resíduos. Segundo Sullivan esta medida contribui para alcançar metas de eliminar o uso de aterros sanitários e seus impactos no meio ambiente, aumentando o compromisso de valorização de resíduos, geração de emprego e redução das emissões de gases de efeito estufa. A medida entra em vigor no 1° de Julho de 2014, e exige que qualquer estabelecimento que tenha uma geração de pelo menos uma tonelada de resíduo orgânico de alimentos por semana seja enviando para uma unidade de valorização de resíduos como por exemplo geração de biogás, usina de compostagem ou para elaboração de ração animal. O desperdício de alimentos residenciais não está incluído na proibição atualmente. Para explorar a valorização de resíduos orgânicos o governo disponibilizou empréstimos $3 milhões de dólares a juros baixos disponíveis para empresas privadas para a implantação de projetos.

Compostagem de Resíduos Sólidos Orgânicos no Brasil

A compostagem é uma alternativa de valorização de resíduos com técnicas ancestrais ainda presente hoje nas usinas modernas. Ela, imita os processos complexos de reciclagem da matéria dos ecossistemas naturais, porem em condições controladas para poder acelerar os resultados e atender as necessidades dos seres humanos.

Mediante um processo otimizado e customizado às necessidades de cada gerados (seja de resíduos sólidos industrias ou urbanos) a compostagem transforma todos os resíduos orgânicos em adubo apto para o uso na agricultura, e atender a demanda de fertilizantes do Brasil, com uma importação de mais do 60% dos nutrientes requeridos nas culturas de todo o pais. Este adubo, alem de oferecer NPK, oferece outros nutrientes de grande valor para as plantas e microrganismos necessários para a estrutura do solo e sua fertilidade ao longo do tempo, dando sustentabilidade a atividade agrícola-florestal.

A área demandada pelas unidades de compostagem variam conforme o tipo de resíduos e o processo a ser implantado, porem em media para 10.000 ton/mês de resíduo são necessários entre 15.000 m³ a 20.000 m³. Exitem atualmente diversas tecnologias de compostagem, que otimizam tempo de processo, eliminam a geração de passivos, aumentam a qualidade do produto final e minimizam os custos de investimento inicial.

A compostagem como alternativa de valorização de resíduos orgânicos está mencionada na Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010)  assim como no Plano de Gestão de Resíduos Sólidos do Ministério de Médio Ambiente do Brasil (atualmente em consulta pública), entre outros documentos e legislações de diferentes setores do governo, no médio acadêmico e do terceiro setor.

A modo de resumo apresento o Infograma de Compostagem de Resíduos Sólidos Orgânicos, para ilustração do possível cenário a ser desenvolvido no Brasil para valorização de mais de 80% dos RSU gerados por todos nós.

Faça click na imagem para amplia-la.

Infograma compostagem resíduos gerais PNRS web

Marcos Alejandro Badra

%d blogueiros gostam disto: