Papel feito a partir de lixo e outros materiais

crush_productionA inovação e criatividade são o caminho a seguir para poder encontrar respostas de como satisfazer nossas necessidades de forma sustentável e com qualidade de vida e bem estar. Isso requer o uso da imaginação de todos os setores de nossa sociedade e o desenvolvimento de uma inteligência ambiental que desafiem os modelos e paradigmas que temos seguido até hoje como sociedade. 

Um dos entraves para a fabricação de papel, e uma das causas de seu encarecimento, é a insuficiência de matéria-prima. A italiana Favini levou 18 meses no desenvolvimento de um produto que não usa somente os recursos das matas em sua composição. Além da polpa das árvores – insumo que é economizado em cerca de 15% em sua manufatura –, o papel crush é feito com materiais orgânicos obtidos a partir de milho, laranja, oliva, kiwi, amêndoa, avelã e grãos de café, cuja reposição é menos complicada que os processos de reflorestamento. A fórmula do Crush também inclui resíduos por consumo reciclado, que responde por 30% do composto final. Com uma farta variedade de cores, ele pode ser usado tanto em livros e brochuras como em embalagens.

Veja mais sobre este inovador produto em http://www.favini.com/

BASF realiza, mais uma vez, evento lixo zero e transforma resíduo orgânico em adubo valioso

organicsA BASF, o buffet Lia Tulmann, a Inambi Inteligencia Ambiental e o Grupo Visafértil firmam parceria para coletar e transformar todo o resíduo do evento
 Copos revestidos e sacos de lixo feitos com ecovio® possibilitam a transformação de resíduo sem a separação

O ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, é o protagonista do projeto envolvendo copos descartáveis e biodegradáveis e sacos de lixo compostáveis que acontecerá durante o evento de apresentação da primeira casa de eficiência energética da BASF no Brasil, a CasaE localizada na zona sul de São Paulo.

Durante o evento, a empresa Lia Tulmann, encarregada do serviço de buffet do evento, orientada pela Inambi, coletará todo o resíduo orgânico utilizado na preparação dos alimentos em sacos de lixo confeccionados com ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, com conteúdo renovável

Perguntas sobre compostagem

O que é biodegradação?

setas-300A biodegradação é quando um produto ou material se decompõe nos elementos químicos que o conformam, devido a ação de agentes biológicos (como por exemplo plantas, actinomicetos, bactérias, fungos e animais) sob condições ambientais naturais.

A velocidade de biodegradação de cada material depende de vários fatores, como a composição e estabilidade molecular da substancia, o entorno onde o material se encontra, o tipo de agente biológico, condições climáticas, entre outras.

A matéria orgânica presente nós resíduos das atividades humana é biodegradável naturalmente se descompõem por via aeróbica (em presença de oxigênio) ou por via anaeróbica (em ausência de oxigênio). Denominamos compostagem ao processo aeróbico de decomposição da matéria orgânica e metanização ao processo anaeróbico de decomposição da matéria orgânica.

O que é compostagem?
compost_den_ouden_omzetten_9rowA compostagem é processo controlado de biodegradação da matéria orgânica presente nós resíduos das atividades humanas (industrial, domestica e agropecuária).

Este processo imita os processos dos ecossistemas naturais para a reciclagem dos elementos presentes nos ciclos ecológicos e que garantem a manutenção da vida.

A compostagem é uma prática milenária praticada de formas variadas em muitas culturas, destinada a melhorar a fertilidade e saúde do solo usada para a produção de alimentos. Desde a aparição da agricultura os camponeses asseguraram a fertilidade do solo mediante materiais orgânicos descompostos dos resíduos animais e vegetais. Esta técnica estava fundamentada no que acontecia nos ecossistemas naturais sem a intervenção dos seres humanos.

O processo de compostagem é biológico, aeróbico e termófilo, ou seja, é realizado por diferentes comunidades de microrganismos que vivem e se desenvolvem na presença de oxigênio, e que utilizam os elementos presentes nos resíduos para se reproduzir e manter sua atividade metabilica numa temperatura acima de 50°C.

A compostagem pode ser considerada uma forma de reciclagem dos resíduos orgânicos, onde se garatem as condições necessárias para que os microrganismos produzam um adubo de alta qualidade no final do processo.
Numa compostagem o importante não é conseguir a biodegradação da matéria orgânica, e sim poder controlar esse processo de biodegradação, garantindo a qualidade do produto final, e a alta performance ambiental do processo e o bem estar humano.

Quais resíduos podem ser compostasdos?
images (4)Qualquer resíduo orgânico pode ser compostado, seja ele de origem urbano/domestico, industrial, agrícola, ganadeiro, florestal, lodos de estações de tratamentos de efluentes, plásticos compostáveis, entre outros. Todos esses resíduos devem ser classe II (não perigoso), o que permitirá usar sem riscos o adubo produzido na compostagem.

Cada tipo de resíduo tem uma biodegradação particular e esses fatores devem ser estudados no planejamento de um processo de compostagem para garantir a qualidade do produto final e o cuidado e preservação do meio ambiente.

Existe uma única forma de compostagem?
uct7modelExistem muitas formas de compostagem. Para escolher uma determinada metodologia de compostagem devem ser considerados fatores importante para garantir o sucesso da biodegradação de toda a matéria orgânica sem a produção de elementos indesejados e de alto impacto ambiental.

Existem projetos de compostagem como pode exemplo:

  • Pequenas compostadeiras domesticas (tanto para casas como para apartamentos)
  • Compostadeiras residenciais de jardim,
  • Usinas de compostagem de pequeno, médio a e grande porte para destinação de resíduos industriais e/ou urbanos,
  • Usinas de compostagem implantadas dentro das industrias de grande geração de resíduos orgânicas,
  • Compostadeiras manuais e/ou automáticas para industrias e/ou estabelecimentos comerciais,
  • Entre outras.

Como escolher uma metodologia de compostagem?
O profissional responsável pelo projeto de desenvolvimento de um processo de compostagem considerará todos os fatores que compõem o contexto do resíduo orgânico a ser compostado, como por exemplo, condições climáticas, matéria prima, recursos humanos, tipo de resíduos, produto final desejado, tempo, área, recursos econômicos, entre outros.

O processo a ser escolhido terá que ser:

  • Tecnicamente apropriado (existe uma tecnologia disponível no mercado com garantias de manutenção)
  • Ambiental correto (minimiza ou elimina todos os impactos ambientais que os resíduos produzem sem criar novos resíduos e/ou impactos durante o processo e produto final)
  • Economicamente viável (custo beneficio atende as expectativas do cliente a curto, meio e/ou longo prazo)

Atendendo estes três critérios, o projeto se torna sustentável para o usuário, sua comunidade e o planeta. Compostagem requer de criatividade e inovação, assim como uma aplicação holística de conhecimentos e habilidades.

Existem processos de compostagem no Brasil?
Red_Wiggler_Worms_In_Compost_Segundo o IBGE existem atualmente no Brasil 211 usinas de compostagem operando. Estas recebem resíduos orgânicos de origem urbano, industrial e agroflorestal. Cada uma destas usinas tem uma capacidade de reciclar em media de 10.000 toneladas por ano. Este valor é muito baixo para atender a total necessidade de tratamento dos resíduos gerados no Brasil.

Atualmente existem varias iniciativas para implantar novas usinas de compostagem no Brasil. Estas iniciativas estão sendo estimuladas pela Politica Nacional de Resíduos Sólidos, PNRS Lei 12.305/2010, onde se menciona a compostagem como uma das alternativas de valorização de resíduos. Também foram publicadas diferentes leis e notas técnicas por órgão competentes, onde se estimula a adoção da compostagem como uma metodologia ambientalmente correta, tecnicamente apropriada e economicamente viável a ser implantada no ambiento das prefeituras, para tratamento dos resíduos orgânicos gerados em nossas cidades.

No mercado nacional apareceram nos últimos anos máquinas de compostagem e compostadeiras residenciais, o que permite à população dar um tratamento correto dos resíduos nos próprios lares e aproveitar o produto final em suas casas ou comunidades.

No mundo a compostagem está sendo amplamente usada para tratamentos dos diversos resíduos orgânicos que geram as atividades humanas, com grande aceitação pelas comunidades e apoio dos governos locais, regionais e nacionais. Aqui no Brasil é importante destacar que são necessárias políticas publicas que estimulem e incentivem a prática da compostagem para acelerar o crescimento de novos projetos e investimentos na área.

As usinas de compostagem podem criar novos empregos?
L_IMG_TractorAs usinas de compostagem podem gerar novos empregos, nas diversas comunidades onde são implantadas. Também elas podem profissionalizar e formalizar o emprego de atuais catadores e ou recicladores, que podem parte do quadro de funcionários dos empreendimentos, conforme prevê a PNRS. Para uma usina de compostagem com uma capacidade de 300 ton/dia se estima em media um quadro de 14 funcionários. O país precisa no mínimo 500 usinas de compostagem com uma capacidade de 500 ton/dia de resíduo orgânico, gerando mais de 5.000 empregos diretos em todo o país.

Ao mesmo tempo a implantação e uso da compostagem como alternativa de tratamento e valorização de resíduos estimula a pesquisa no setor acadêmico, aportando o desenvolvimento de novos conhecimentos, beneficiando o crescimento do país e da sociedade.

Quais são os benefícios da compostagem?
Os benefícios da compostagem são entre outros:
Os beneficios da unidade de compostagem in loco são:

  • Diminuição da quantidade de resíduos finais dispostos em aterro conforme o previsto na PNRS Lei Nº 12.305, de 2 de Agosto de 2010,
  • Aumento da reciclabilidade por parte das industrias e cidades,
  • Diminuição das emissões de CO2 eq,
  • Adubo orgânico de qualidade produzido na mesma usina de compostagem ou nas próprias residencias,
  • Solidificar um espaço que possa disseminar boas práticas de reciclagem (compostagem) para os resíduos vegetais e orgânicos;
  • Contribuir para o processo de gestão adequada dos resíduos orgânicos produzidos em todos as âmbitos das atividades humanas;
  • Fornecer fertilizantes orgânicos para a agricultura orgânica e intensiva, melhorando os solos produtivos, entre outros muitos.

Se quiser maiores informações sobre compostagem, entre em contato comigo.
Marcos Alejandro Badra

Artigos relacionados:

Um modelo de compostagem para uma industria sustentável.

Compostagem de Resíduos Sólidos Orgânicos no Brasil.

Infograma

 

Entidade mista poderia unificar SMS emergencial para atividades petrolíferas marítimas

Em painel ambiental do Accelerate Oil & Gas, no Rio, Jean-Paul Prates sugere a criação de entidade mista para prevenção e socorro a incidentes offshore. O Diretor Técnico do Grupo Ambipar, Marcos Alejandro Badra, argumentou que “proteger o recurso natural é efetivar sua utilização sustentável e mitigar seus efeitos ambientais durante todo o seu ciclo de vida”.

16.05.2012, Fonte: Cerne Press

Ao participar, na manhã desta quarta-feira (15/05) como mediador do painel ambiental do evento Accelerate Oil & Gas, o diretor-geral do CERNE, Jean-Paul Prates, levantou a proposição de que o Brasil venha a constituir uma entidade, inspirada o modelo do ONS (Operador Nacional de Sistemas) do setor elétrico para dispor de recursos “humanos, físicos e tecnológicos para a prevenção, detecção, mitigação e resposta a acidentes e incidentes ambientais e operacionais no offshore brasileiro”. “O investimento grupal em uma estrutura de alto nível, preparada para responder a grandes eventos ocasionalmente causados pelas operações offshore, deve contar com a participação mista: de um lado, o Estado brasileiro como poder concedente e beneficiário de royalties e impostos e, de outro, o conjunto de concessionários ou contratados como operadores de petróleo e gás – na proporção do risco ambiental que representarem em função da sua detenção de áreas exploratórias e escala de operações de desenvolvimento e produção”, detalhou Prates.

No ONS, que é uma pessoa jurídica de direito privado, são membros participantes o Poder Concedente, por meio do Ministério da Minas e Energia, as empresas de geração, transmissão, distribuição, importadores e exportadores de energia e os Conselhos de consumidores. “É papel do Estado participar da mitigação e resposta a incidentes passíveis de ocorrer numa atividade que interessa a todos os cidadãos do Brasil. São o risco de uma atividade altamente benéfica para a economia e para o Tesouro brasileiros. E o importante é assegurar que não haja aumento da carga tributária para isso, e sim a designação específica de parte da receita dos royalties especificamente para que esta participação estatal na nova entidade se viabilize”, complementou.

Durante o painel, o Vice Presidente de Segurança Saúde e Meio Ambiente da petroleira estatal norueguesa Statoil, Jake van den Dries, explicou como funciona a estrutura conjunta formada por recursos governamentais e privados, representados pela associação local NOFO (Norwegian Clean Seas Association for Operating Companies) que reúne os operadoras. O Vice Presidente e Diretor de Operações para América do Sul da DNV Det Norske Veritas, Tommy Bjornsen reforçou o comprometimento que os governos devem ter com a questão. O Diretor Técnico do Grupo Ambipar, Marcos Alejandro Badra, argumentou que “proteger o recurso natural é efetivar sua utilização sustentável e mitigar seus efeitos ambientais durante todo o seu ciclo de vida”. Ada Gonçalves, da FINEP, expôs os diversos casos de apoio ao setor de P&D no Brasil ressaltando a participação ainda incipiente dos projetos relacionados ao meio ambiente, em específico.

Fonte: Cerne

Compostagem em apartamentos?

Práticas sustentáveis não são privativas unicamente de industrias ou grandes organizações. Elas podem ser realizadas por cidadãos comuns em todos os aspectos de sua vida. Na matéria “Reciclagem: moda ou inteligencia”,  se explica como enviar resíduos orgânicos para aterros é uma forma desnecessária, insustentável e cara de lidar com o lixo. Atualmente existem alternativas para valorização dos resíduos orgânicos residenciais para casas, apartamentos, condomínios entre outros.

Para tratar o resíduo orgânico gerado na minha cozinha desenvolvi uma compostadeira simples (ver foto), instalada na sacada do meu apartamento em um terceiro andas, onde transformado em adubo aproveitamos nos vasos que temos ali mesmo ou doamos para amigos. Todo este processo não gera odores nem permite a proliferação de insetos, como baratas ou moscas, o que faz do processo totalmente limpo e agradável para toda a família. O sistema é simples e até meu filho de 7 anos contribui com a manutenção do mesmo. A compostadeira tem uma câmera para coletar os líquidos do processo, que também é usado como fertilizantes para as plantas. Desta forma evitamos enviar resíduos orgânicos para o aterro, aumentando a capacidade de coleta dos caminhões, a vida útil dos aterros e contribuímos com a diminuição de gases de efeito estufa pela geração de metano (causado pela putrefacção dos resíduos no aterros). Outro ganho importante de ter reciclado na minha sacada os resíduos orgânicos é a melhor qualidade dos recicláveis que posteriormente os catadores coletam no condomínio.

Desta forma tem muitas alternativas e iniciativas de compostagem para resíduos orgânicos residenciais, assim como valorização de outros pelo mundo estão mostrando novas formas de compostar que são mais rápidas e mais eficientes.

Portanto é hora de mergulhar de cabeça nessa ideia e poder participar com pequenas ações sustentáveis e assim apoiar essa forma mais eficaz de descartar os resíduos que produzimos diariamente em nossas atividades, tornando nossas vidas mais harmônicas e responsáveis com a natureza.

Marcos Alejandro Badra

Se quiser maiores informações sobre esta compostadeira para residencias ou para programas de educação ambiental em escolas ou outras organizações, entre em contato no meu email ou pelo meu celular (019-8199 0362).

%d blogueiros gostam disto: