BASF realiza, mais uma vez, evento lixo zero e transforma resíduo orgânico em adubo valioso

organicsA BASF, o buffet Lia Tulmann, a Inambi Inteligencia Ambiental e o Grupo Visafértil firmam parceria para coletar e transformar todo o resíduo do evento
 Copos revestidos e sacos de lixo feitos com ecovio® possibilitam a transformação de resíduo sem a separação

O ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, é o protagonista do projeto envolvendo copos descartáveis e biodegradáveis e sacos de lixo compostáveis que acontecerá durante o evento de apresentação da primeira casa de eficiência energética da BASF no Brasil, a CasaE localizada na zona sul de São Paulo.

Durante o evento, a empresa Lia Tulmann, encarregada do serviço de buffet do evento, orientada pela Inambi, coletará todo o resíduo orgânico utilizado na preparação dos alimentos em sacos de lixo confeccionados com ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, com conteúdo renovável

Compostagem de Resíduos Sólidos Orgânicos no Brasil

A compostagem é uma alternativa de valorização de resíduos com técnicas ancestrais ainda presente hoje nas usinas modernas. Ela, imita os processos complexos de reciclagem da matéria dos ecossistemas naturais, porem em condições controladas para poder acelerar os resultados e atender as necessidades dos seres humanos.

Mediante um processo otimizado e customizado às necessidades de cada gerados (seja de resíduos sólidos industrias ou urbanos) a compostagem transforma todos os resíduos orgânicos em adubo apto para o uso na agricultura, e atender a demanda de fertilizantes do Brasil, com uma importação de mais do 60% dos nutrientes requeridos nas culturas de todo o pais. Este adubo, alem de oferecer NPK, oferece outros nutrientes de grande valor para as plantas e microrganismos necessários para a estrutura do solo e sua fertilidade ao longo do tempo, dando sustentabilidade a atividade agrícola-florestal.

A área demandada pelas unidades de compostagem variam conforme o tipo de resíduos e o processo a ser implantado, porem em media para 10.000 ton/mês de resíduo são necessários entre 15.000 m³ a 20.000 m³. Exitem atualmente diversas tecnologias de compostagem, que otimizam tempo de processo, eliminam a geração de passivos, aumentam a qualidade do produto final e minimizam os custos de investimento inicial.

A compostagem como alternativa de valorização de resíduos orgânicos está mencionada na Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010)  assim como no Plano de Gestão de Resíduos Sólidos do Ministério de Médio Ambiente do Brasil (atualmente em consulta pública), entre outros documentos e legislações de diferentes setores do governo, no médio acadêmico e do terceiro setor.

A modo de resumo apresento o Infograma de Compostagem de Resíduos Sólidos Orgânicos, para ilustração do possível cenário a ser desenvolvido no Brasil para valorização de mais de 80% dos RSU gerados por todos nós.

Faça click na imagem para amplia-la.

Infograma compostagem resíduos gerais PNRS web

Marcos Alejandro Badra

Compostagem de animais mortos.

A compostagem é uma técnica milenária de reciclagem de matéria orgânica, usada nos mais diversos cenários. Ela se apresenta como uma alternativa de economicamente viável, ambientalmente correta e com diferentes opções tecnológicas, conforme a necessidade.

No vídeo que estou publicando, vocês verão como é possível utilizar este processo para valorização de resíduos como animais mortos em estabelecimentos agrícolas.

Para mais informações entre em contato (Click aqui)

Marcos Alejandro Badra

Compostagem doméstica criativa

As necessidades sociais e ambientais de nossas cidades são cada dia mais evidentes e urgentes. Isto está transformando nossos hábitos diários e domésticos gradualmente para formas e estilos de vida mais sustentáveis.

Inúmeras ideias estão sendo aplicadas para permitir que nossos lares sejam mais “ecológicos”, facilitando a gestão dos resíduos gerados na mesma origem. Estas novas tecnologias nós permitem poder construir uma cidade com maior qualidade de vida e bem estar.

Vejam o criativo invento de Fanny Nilsson, um estudante que mediante seu invento mudou os paradigmas da vida domestica urbana. O aparelho, um compostor de mesa portátil elegante que alimenta automaticamente suas plantas, pode ser a solução para o lixo orgânico para as cidades com um enorme impacto na gestão publica dos resíduos urbanos sólidos. Veja todos os detalhes do aparelho para compostagem portátil.

Outra alternativa são os equipamentos desenvolvidos pela NatureMill, para instalação e uso dentro da cozinha. Semelhante a um pote de lixo, ele recebe na sua câmara superior os restos de alimentos e materiais compostáveis (como guardanapos ou plásticos biodegradáveis compostáveis). Calor, oxigênio e a ajuda de microrganismos naturais transformam em poucos dias os restos de alimentos antes de gerar odores desagradáveis em um composto. Depois, apertando um botão transfere o material para uma câmara inferior onde continuará o processo de compostagem por mais uma semana, enquanto você encher a câmara superior novamente. Veja mais informações.

Também temos a criativa alternativa francesa projetada por Victor Massip e Laurent Lebot.. A Ekokook é uma cozinha ecológica e tecnológica, que faz uso de todos os seus resíduos. Ela consegue utilizar e reutilizar todos os seus resíduos.

Os resíduos sólidos como: vidro, papel, plástico, metal, e etc., são armazenados cada um no seu próprio reservatório onde serão reduzidos a um tamanho mínimo. Onde depois seguirão para a reciclagem.

Existe um sistema de uso, coleta e reciclagem de água. A pia tem dupla retenção, e a coleta é filtrada para dois jarros que posteriormente serão usados na jardinagem.

Os resíduos orgânicos ficam num compartimento especial de decomposição. As cascas, e outros resíduos transforman-se com o tempo em um excelente adubo. Tudo é pensado para evitar o mal cheiro e manter a higiene. Veja mais informação.

Ainda estes produtos não estão disponíveis no Brasil, porem em breve, estas criativas ideias e soluções estarão disponíveis para todos, tornando nossos dia a dia mais sustentável.

Se quiser maiores informações sobre compostagem domestica de experiencias realizadas com sucesso no Brasil, veja o artigo “Compostagem em apartamento?”

Marcos Alejandro Badra

Califórnia: exemplo de reciclagem

São Francisco alcançou seu marco no programa de compostagem

O programa de compostagem urbana de São Francisco, na Califórnia, alcanço seu marco no mês de novembro com a coleta da sua milionésima tonelada de restos de comida. A cidade já possui uma taxa de reciclagem de 72% e quer alcançar sua meta de desperdício zero em 2020.

Desde o seu lançamento, em 1996, o programa, salvou 2,7 milhões de metros cúbicos de espaços nos aterros sanitários e produziu 600 mil metros cúbicos de adubo orgânico. Com o apoio da empresa Recology, que faz a coleta do material, o programa já beneficiou mais de 200 fazendas da região.

“O programa de compostagem não só chega a um passo mais perto de nosso objetivo de resíduo zero, como também é um componente crítico na redução das emissões de carbono em torno da área da baía”, disse Melanie Nutter, diretor ambiental de São Francisco, em um comunicado.

A redução da pegada de carbono da cidade é feita de duas maneiras. A primeira é pelo desvio de materiais orgânicos provenientes do aterro, e a segunda é pelo sequestro de carbono no solo das fazendas que usam o produto finalizado.

De acordo com a Recology, o programa de compostagem tem evitado a emissão de mais de 300 mil toneladas métricas de dióxido de carbono desde a sua criação, que é igual às emissões produzidas por veículos que cruzam a famosa ponte de São Francisco, Bay Bridge, por dois anos.

O programa

O programa foi criado em 1996, mas somente em 2009 a cidade aprovou uma nova lei que tornou obrigatório a reciclagem e compostagem. Foram dados aos moradores três caixas. Uma caixa preta para o lixo, azul para recicláveis e verde para a compostagem.

Aqueles que não colocarem os resíduos em suas respectivas caixas irão pagar multas. O valor será de US$ 100,00 para pequenas empresas e residências familiares e até US$ 1.000,00 para as grandes empresas e prédios de várias unidades.

Fonte: EcoDesenvolvimento

%d blogueiros gostam disto: