O projeto teve início em 2013, com o propósito de desenvolver um modelo referencial na gestão de resíduos sólidos urbanos orgânicos para as mais de 5500 prefeituras do Brasil, que até agosto de 2014 tem que se adequar a Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305/2010.Os resíduos orgânicos urbanos, representam um 51,4% do total gerado em nossas cidades, onde cada habitante gera em média 0,530 Kg/dia. Estes resíduos, são enviados para aterros sanitários ou para lixões e são responsáveis segundo o IPCC de um 30% dos gases de efeito estufa gerados em nosso pais.

Os resíduos orgânicos segregados e destinados para a compostagem em sacos compostáveis.

O Projeto começou com a educação ambiental de todos os atores envolvidos na região de Mogi Mirim onde seria implantado. Todos os moradores tiveram a oportunidade de participar, de forma ativa na construção do conhecimento, fundamental para o sucesso do projeto.

O Projeto foi desenvolvido entre uma parceria entre a INAMBI, BASF, Prefeitura de Mogi Mirim, Visafertil, Romapack e a Construrban, todos aportando recursos e conhecimento necessário para o desenvolvimento do mesmo. Alem destes parceriso, participaram do projeto:

  • 700 casas,
  • 2100 pessoas,
  • 2 escolas municipais,
  • 1 creche,
  • Igrejas católicas e evangélicas da região,
  • ETEC de Mogi Mirim.

O kit era 1 lixeirinha, 100 sacos compostáveis e material informativo com o resumo do apresentado nos Workshop com a comunidade.

Foi dado um kit para morador, com 1 lixeirinha de pia, 100 sacos compostáveis ecovio® da BASF e material informativo de como destinar corretamente os resíduos orgânicos gerados na cozinha de casa. Também foram realizados vários workshop coordenados pela INAMBI com os moradores, alunos e professores das escolas, onde todos tiveram a oportunidade de compartilhar expectativas, necessidades, experiências, ideias e conhecimento.

Resultados

  • O projeto durou 94 iniciando a primeira coleta de resíduos no dia 16 de setembro de 2013 e terminando o dia 20 de dezembro, conforme previsto. Foram realizadas 41 coletas neste período de tempo.
  • Todos os resíduos orgânicos dos moradores eram colocados nos sacos compostáveis ecovio® da BASF, de cor marrão e identificados. Os moradores colocaram normalmente os sacos na frentes de suas casas. As coletas aconteceram de segunda, quarta e sexta feira.
  • Todos os sacos compostáveis com o resíduo orgânico após coletado eram destinados para a usina de compostagem, onde, juntos eram misturados com biomassa para ser compostados.
  • Mediante um rigoroso processo de controle era verificado se os resíduos eram corretamente destinados para a usina de compostagem. A expectativa inicial era ter um 70% de resíduos corretamente destinado, porem desde o primeiro dia, a média de resíduos orgânicos corretamente segregados e destinados para a usina de compostagem foi de 99%, media que se manteve durante todos os dias de coleta. Pessoalmente, fiquei surpreso com o nível e qualidade de participação da população.
  • Todos os resíduos orgânicos e sacos compostáveis, foram transformados em adubo orgânico de alta qualidade, não tendo do processo nenhum tipo de resíduo secundário. Os sacos compostáveis ecovio® da BASF se transformaram em adubo em aproximadamente 45 dias.
  • A temperatura média de compostagem foi de 55°C, resultado do processo metabólico dos microrganismos que transformam os resíduos orgânicos e sacos compostáveis em adubo. Esta temperatura garante que todo o processo foi aeróbico, sem emissão de gases de efeito estufa, e que todo o adubo final foi higienizado completamente.
  • Durante o processo não houve odores desagradáveis, nem proliferação de vetores, como moscas, roedores ou outras pragas. A usina de compostagem foi visitada por diversas pessoas, como vereadores, jornalistas, educadores, entre outros, que admiravam-se pelo processo de compostagem dos resíduos.
  • Se coletaram durante o projeto 30 toneladas de resíduos orgânicos e misturados com 17 toneladas de biomassa. Se gerou 24 toneladas de adubo orgânico. A composição do adubo final tem 2,4% de Nitrogênio, 0,75% de Fósforo, 1,6% de Potássio, 3,15% de Cálcio, 160ppm de Boro, uma relação C/N de 10 e um pH de 7,1, entre outros muitos nutrientes, matéria orgânica e microrganismos, fundamentais para a saúde do solo e das plantas.
  • As cooperativas e empresas de reciclagem, verificaram que resíduos como papel, papelão, vidro, plástico e metal ficaram “mais limpo”, porque estando livre dos orgânicos, os mesmos não tinham restos de alimentos. Segundo Daniel, dono da empresa de reciclagem “Rei da Sucata”, os moradores começaram a acondicionar melhor o resíduos reciclável e ficou mais digno para os catadores poder trabalhar nesta região.
  • Mediante uma pesquisa com a comunidade, foi verificado que 100% dos moradores querem que seja implantado um programa permanente de coleta e destinação dos resíduos orgânicos para compostagem.
  • Muitas prefeituras brasileiras ficaram interessadas no projeto, procurando encontrar nele um exemplo de aplicação em suas próprias cidades. Além do Brasil, a Prefeitura de Córdoba e Buenos Aires em Argentina, procuraram a BASF e INAMBI para conhecer o projeto e poder replica-lo.
  • O projeto teve muito mais resultados, os quais serão divulgados num relatório que a INAMBI está elaborando e que será apresentado no final de maio.

Conclusões

  • O projeto provou que é possível poder implantar um programa de coleta seletiva de resíduos orgânicos em sacos compostáveis e destina-los para usina de compostagem.
  • O saco compostável facilita o processo na usina de compostagem, já que o mesmo não precisa ser retirado dos outros resíduos e ele mesmo se transforma totalmente em adubo orgânico.
  • A participação da população demonstrou o interesse da mesma em mudar o atual modelo de gestão de resíduos urbanos, procurando tem um meio ambiente saudável e uma qualidade de vida melhor.
  • Podem ser minimizados os impactos ambientais negativos da atual gestão de resíduos sólidos das cidades brasileiras, mediante a transformação de seus resíduos orgânicos em um produto como adubo orgânico, que pode ser usado para melhorar a saúde do solo e beneficiar o crescimento de plantas.
  • Parcerias multidisciplinares e setoriais são necessárias para o sucesso do projeto, assim como uma nova forma de educação e participação da comunidade.

Marcos Alejandro Badra
Socio Diretor de INAMBI

Sobre a Inambi

Inambi é uma empresa especializada em consultoria e assessoria em meio ambiente e sustentabilidade com o compromisso de desenvolver para seus clientes soluções customizadas e eficientes em termos de custos e resultados com qualidade e rápido atendimento. Com uma equipe multidisciplinar e altamente qualificada, Inambi oferece serviços de estudos, diagnósticos, pesquisas, projetos, perícias, auditorias, treinamentos, licenciamento, planejamento e gestão em meio Ambiente e sustentabilidade, atendendo demandas de diversos segmentos do mercado, indústria, agropecuária, no setor público e privado. Para maiores informações http://www.inambi.com ou contato@inambi.com

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: